História

Quanto ao nome da cidade existem duas versões para a sua origem: ¨Enseada de altos e baixos¨, originário do tupi-guarani e ¨Caraguatá¨, planta espinhosa que produz cachos de frutos amarelos extremamente ácidos encontrada nas encostas da serra do mar. A cidade surgiu de uma pequena vila iniciada no século XVII.

Caraguatatuba foi fundada por volta  dos anos de 1653/1654. Nesta época João Blau, capitão-governador da capitania de Nossa Senhora de Itanhaém (1653/1656) - da qual era donatária a condessa de Vimieiro, fundou a Vila de Santo Antônio de Caraguatatuba. Apesar de conhecer sua longa existência, por volta de 1770, o governador da capitania de São Paulo determinou ao comandante do destacamento da Vila de São Sebastião que construisse um povoado naquele lugar chamado Caraguatatuba, juntando esse todos os moradores que puder, delineando o lugar para Casa da Câmara, cadeias e mais edifícios públicos, visto que já existia ali uma igreja para a invocação de Santo Antônio. Em 1806, graças a uma visita do corregedor pelas Vilas Marinhas, se dando crédito ao administrador da capela, a Vila de Santo Antônio de Caraguatatuba passou a ser conhecida como Vila que Desertou, devido à mudança seus moradores para outros lugares. Após essa visita do corregedor, a Vila não só ressurgiu como progrediu tornando-se freguesia pela Lei n°336, de março de 1847; elevada à categoria de município pela Lei n°581, de 20 de abril de 1857. O município foi instalado em 23 de novembro de 1857. Em 30 de novembro de 1947, através da Lei n°38, Caraguatatuba foi elevada à categoria de Estância Balneária. A comarca foi criada em 1959 pela Lei n°5.282, e instalada em 23 de novembro de 1965.

A grande catástrofe aconteceu em março de 1967 quando o município foi atingido por um temporal. Fortes tempestades e deslizamentos de terra causaram 436 mortes. Na ocasião cerca de 3 mil pessoas (33 % da população na época) perderam suas casas.


Fazenda dos Ingleses: Abrigando famílias de estrangeiros instaladas em casas de alvenaria, dentro de uma área inicial de 4.020 alqueires, a Fazenda de São Sebastião era conhecida por Fazenda dos Ingleses. Em 1927, a Fazenda dos Ingleses provocou mudanças no quadro geral da situação de Caraguatatuba. Sob certos aspectos essas mudanças foram por ela mesma administradas, sob outros, foram por ela provocadas:

Aumento significativo da população do município
Especialização da mão de obra na agricultura
Aumento representativo da atividade artesanal comercial
Incremento do comércio dentro e fora da região
Expansão dos meios de comunicação rapidamente
Respeitável aumento da Receita Pública Municipal, Estadual e Federal
Para seu divertimento, os ingleses fizeram construir quadras de tênis, campos de golf e pólo. Também jogavam cricket. No campo de futebol chegaram a disputar campeonatos com 30 times. Jogavam ping-pong e assistiam documentários no cinema da fazenda. A Fazenda dos Ingleses foi o principal fator de desenvolvimento da cidade até a chegada dos turistas. Era uma das três maiores do gênero na América do Sul. Uma via férrea interna, que chegou a ter 120 quilômetros de extensão, transportava as frutas para o porto, no Rio Juqueriquerê, onde havia um cais de 100 metros. Dalí elas seguiam para os navios atracados no canal de São Sebastião que as levavam até Londres. Foi por volta de 1946, no final da II Guerra Mundial, a fazenda retomou a produção de cítricos, voltando ao mercado inglês e sobreviveu mais 20 anos dessa cultura, apesar da decadência paulatina. Com a catástrofe de 1967, metade da fazenda ficou debaixo da lama. A retomada das atividades só ocorreu na década de 90, quando a Pecuária Serramar instalou um projeto pecuário de alta tecnologia no mesmo local. E ainda hoje continua contribuindo com o crescimento e desenvolvimento
financeiro da cidade, pois esta sendo construído no mesmo local o maior shopping center do litoral norte com varias lojas, praça de alimentação e salas de cinema.

Portal do Litoral © 1999 - 2018 - Todos os direitos reservados